A história da Maçonaria em Brasília

GRANDE ORIENTE DO DISTRITO FEDERAL

Breve histórico

No dia do aniversário de Brasília, em 1971, nasce o Grande Oriente do Distrito Federal com o ideal de congregar as Lojas Maçônicas e todos os maçons que vivem no território da nova Capital do Brasil.

É o dia 21 de abril, tão significativo para a Maçonaria por lembrar Tiradentes, seu obreiro e mártir da independência pátria, e, também, por festejar os 11 anos de fundação da Capital de todos os brasileiros.

As Treze Lojas

As trezes lojas maçônicas existentes no Distrito Federal, em 1971, firmam um documento conjunto criando o Grande Oriente e assumem o compromisso de mantê-lo como organismo administrativo e incentivador de toda a ação dos obreiros da Arte Real no território da Capital Federal. O ato, aquela sessão histórica de 21 de abril de 1971, teve a presidência do maçom José de Melo e Silva e a secretaria dos maçons Jair Corrêa Santos e Lauro Meneses, todos Veneráveis Mestres.

Participaram dessa decisão as seguintes Lojas Maçônicas (pela ordem alfabética), representadas pelos seus respectivos veneráveis:

– Abrigo da Virtude, pelo Venerável Mestre Eutério Batista Gusmão;

– Acácia do Planalto, pelo Venerável Mestre Benjamin Goldemberg;

– Águia do Planalto, pelo Venerável Mestre Lauro Martins de Castro;

– Atalaia de Brasília, pelo Venerável Mestre Jair Corrêa Santos;

– Aurora de Brasília, pelo Venerável Mestre Ildefonso Gadioli Santos;

– Brigadeiro Proença, pelo Venerável Mestre Lauro Meneses;

– Duque de Caxias, pelo Venerável Mestre Sebastião A. Guimarães;

– Estrela de Brasília, pelo Venerável Mestre Arnaldo Pereira de Almeida;

– Fraternidade e Justiça II, pelo Venerável mestre Moacyr Severino Carlos;

– Gonçalves Ledo, pelo Venerável Mestre Natalício Alves Barreto;

– Luz e Fraternidade, pelo Venerável Mestre José de Melo e Silva;

– Sete de Setembro, pelo Venerável Mestre Barbosa Castro;

– União e Silêncio, pelo Venerável Mestre Jeremias Pinheiro Moreira.

Reconhecimento e Instalação

Criado o Grande Oriente do Distrito Federal, foi escolhido para sede provisória, o Templo da Loja Aurora de Brasília, na Quadra 702 Sul, onde se reúnem, também, as Lojas Acácia do Planalto e Brigadeiro Proença.

No mesmo ano de 1971, o Conselho Federal da Ordem Maçônica reconheceu, em 21 de junho, a criação do Grande Oriente do Distrito Federal, ocorrida em 21 de abril.

O reconhecimento pelo Conselho permitiu ao Soberano Grão-Mestre Moacyr Arbex Dinamarco autorizar, por decreto, a instalação do Grande Oriente Brasiliense. Tal autorização tem data de 26 de abril de 1972.

Logo, os maçons brasilienses se movimentaram para instalar o seu Grão-Mestrado e eleger seus dirigentes.

Assim, pelos votos dos maçons integrantes das 13 lojas existentes no território, foi eleito o maçom Celso Clarimundo da Fonseca para o cargo de Grão-Mestre do Grande Oriente do Distrito Federal, tendo como como seu Grão-Mestre Adjunto, o maçom Francisco Pinheiro Brandes, que foram empossados em 18 de novembro de 1972.

Fonte: A História da Maçonaria em Brasília, Adirson de Vasconcelos