Maçonaria no Mundo

Maçonaria nas Américas:

  • EUA

Há duas possibilidades na maçonaria americana, para além de ser o país com o maior número de maçons, quais sejam:
– a existência paralela de dois sistemas independentes, um para negros e outro para brancos,baseados nos mesmos modelos;
– as Grandes Lojas desenvolvem seus trabalhos autonomamente, nos estados, sendo 50 (menos o Hawaii) de brancos,  e 41 de negros (no círculo dos quais é bem maior a militância no espaço público). O número de maçons, neste país, é estimado em algo próximo de três milhões de obreiros, com menos do que 15% de negros.

  • CANADÁ

O Canadá, país pertencente ao Reino Unido, sofre influências das pertenças maçônicas de, pelo menos, três nações, a saber:
-EUA  pela proximidade e quantidade de obreiros ativos neste;
-Grã-Bretanha pela ascendência cultural em relação aos anglófonos; e
-França idem quanto aos francófonos, que ocupam regiões importantes do Canadá.

  • MÉXICO (e Latinos)

Em que pese a influência e a proximidade americana, o México está bem integrado na Confederação Maçônica Interamericana, cuja próxima Grande Assembléia, em 2012, será sediado no Brasil/GOB.

A Carta de Bogotá, resultante da XXI Grande Assembléia, em 1-5.ABR.2009, reiterou preceitos, premissas e princípios milenares, passou em revista o cenário de desenvolvimento e progresso das nações, inspecionou o atual estágio da ciência e da tecnologia e reafirmou intenções de transformar em ações o pensamento maçônico. Os signatários, em número das maçonarias de dezoito países, contaram, também, com a  chancela de três países europeus, como observadores.

Maçonaria na África:

A influência da colonização fez com que a maçonaria africana fosse de importação britânica ou francesa.   A independência das nações africanas, aqui ou ali, fez com que as Lojas estrangeiras formassem obediências nacionais.
As relações maçônicas nacionais e continentais tendem, presentemente,  a copiar e aprofundar as facções de liberais (não reconhecidas) e regulares, dos moldes europeus.  Já no século XXI as pertenças maçônicas são, em maior número, francófonas.

Maçonaria na Europa Oriental:

Europa Ocidental  (onde a maçonaria, única Ordem Iniciática ocidental, nasceu) e EUA colaboraram e, ainda, colaboram, desde a queda do Muro de Berlim (1989), quanto à retomada das atividades maçônicas nos antigos países comunistas, fornecendo ritos, materiais, recursos pecuniários e livros.