Maçons Ilustres do Brasil

  • Adhemar de Barros – médico e político da cidade de Piracicaba, SP. Foi prefeito e governador de São Paulo. São destaques de sua administração as áreas de Saúde Pública, Educação e Energia;
  • Alcântara Machado – advogado e jornalista paulistano. Foi um dos mais importantes e originais representantes do movimento modernista brasileiro;
  • Alcindo Guanabara – jornalista e político da cidade de Guapimirim, RJ. Membro fundador da Academia Brasileira de Letras. Trabalhou em diversos jornais do país, participando ativamente do Movimento Republicano. Foi deputado pelo Rio de Janeiro. Fundador do jornal A Tribuna. É considerado um dos maiores jornalistas brasileiros;
  • Álvaro Palmeira – médico e professor da cidade do Rio de Janeiro. Foi Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil, de 1963 a 1968;
  • Amadeu Amaral – escritor e poeta da cidade de Capivari, SP. Fundador da Academia Paulista de Letras. Escreveu “Urzes”, “Névoa”, “Espumas”, “Lâmpada Antiga”, entre outras;
  • Américo Brasiliense – jurisconsulto e político da cidade de São Paulo. Participou da comissão que elaborou a Nova Constituição. Foi ministro do Supremo Tribunal Federal e governador do estado do Rio de Janeiro, em 1866;
  • Américo Brazílio de Campos – jornalista, diplomata e político da cidade de Bragança Paulista, SP. Trabalhou na “Província de S. Paulo”, hoje o “Estadão” e fundou o “Correio Popular”. Um grande nome do jornalismo brasileiro;
  • Antonio da Silva Jardim – advogado e jornalista da cidade de Silva Jardim, RJ. Escreveu na Gazeta de Notícias. Conferencista e orador brilhante, foi um dos mais ativos propagandistas da república. Escreveu “O General Osório”, “Gente do Mosteiro” e “Memórias e Viagens”;
  • Antonio Duarte Nogueira – médico e político da cidade de São Francisco de Salles, MG. Foi prefeito da cidade de Ribeirão Preto, SP, em duas gestões: 1969 a 1973 e 1977 a 1983;
  • Antonio Evaristo de Morais – advogado e jornalista da cidade do Rio de Janeiro. Foi consultor jurídico no Ministério do Trabalho, presidente da Associação Brasileira de Criminologia, um dos fundadores da ABI e do Partido Operário. Popularizou-se como defensor dos fracos e pobres. Foi um dos maiores criminologistas do Brasil;
  • Antonio Frederico Zerrener – industrial brasileiro de origem alemã. Fundador da Companhia Antarctica Paulista. Foi Grão-Mestre Adjunto de Pedro de Toledo e seu sucessor, no Grande Oriente Estadual de S. Paulo;
  • Antonio Vicente Felipe Celestino – cantor da cidade do Rio de Janeiro. Um dos maiores intérpretes da música popular brasileira e uma das vozes barítonas mais lindas. Seu grande sucesso foi “O Ébrio”;
  • Aristides Lobo – jornalista, advogado e político da cidade de Mamanguape, PB. Foi deputado federal e ministro do interior. Um dos mais ardorosos defensores da República;
  • Artur Bernardes – advogado e político da cidade de Viçosa, MG. Foi deputado, governador e presidente da República (1922-1926). A cidade de Presidente Bernardes, SP, é em sua homenagem;
  • Barão de Itamaracá – médico, político e diplomata da cidade de Recife. Foi deputado, presidente da Câmara, ministro de Estrangeiros e ministro plenipotenciário em Lisboa;
  • Barão de Jaceguaí – militar da cidade de São Paulo. Fez uma brilhante carreira militar. Foi Grão-Mestre no período de 1881 a 1882;
  • Barão de Melgaço – militar e geógrafo brasileiro, de origem francesa, da cidade de Saint Malo. Teve importante papel na defesa das fronteiras brasileiras na Guerra do Paraguai. Foi presidente da Província de Mato Grosso;
  • Barão do Rio Branco – historiador, estadista e diplomata da cidade do Rio de Janeiro. Graças aos seus esforços diplomáticos, a Questão do Amapá foi resolvida em favor do Brasil. Também a Questão do Acre. Serviu a 4 presidentes como secretário de relações exteriores;
  • Barão do Triunfo – militar de Rio Pardo, no Rio Grande do Sul;
  • Benjamin Constant – militar, catedrático e estadista carioca de Niterói. Deve-se a ele a adoção da divisa “Ordem e Progresso” na bandeira brasileira. É considerado o “Pai da República”;
  • Benjamin de Almeida Sodré – militar e político da cidade de Mecejana, CE. Foi presidente da Associação dos Alunos da Escola Naval. Em sua carreira, atingiu o posto de almirante. É o criador da União dos Escoteiros do Brasil. Foi Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil (1953-1954);
  • Bento Gonçalves – militar e revolucionário da cidade de Triunfo, RS. Defensor de ideias liberais, comandou a Revolução Farroupilha, que levou à proclamação da República do Rio Grande do Sul;
  • Bernardino de Campos – estadista, diplomata, político e jornalista da cidade de Pouso Alegre, MG. Propagandista dos ideais republicanos, foi deputado, senador e governador de S. Paulo. Foi ministro da fazenda no governo de Prudente de Morais;
  • Bob Nelson – cantor e compositor da cidade de Campinas, SP. Linha musical alegre e divertida, são destaques de seu repertório, “Ó Suzana”, “O boi Barnabé”, “Catulé”, “Te aguenta Mané” e “Eu tiro o leite”;
  • Carequinha – compositor, cantor e artista circense da cidade de Rio Bonito, RJ. Formou com Fred Vilar a mais notável dupla de palhaços;
  • Carlos de Campos – estadista, parlamentar, jornalista e musicista da cidade de Campinas, SP. Foi diretor do jornal “Correio Paulistano”, secretário de Justiça de Campos Salles e governador do estado de São Paulo;
  • Carlos Gomes – compositor campineiro. O maior compositor clássico brasileiro. Autor da Ópera “O Guarani”;
  • Casimiro de Abreu – poeta carioca. Lírico, harmonioso e melancólico. Autor de poesias maravilhosas como “Primaveras”;
  • Castro Alves – poeta baiano. O grande poeta da Abolição e da alma brasileira;
  • Cesar Guerra Peixe – compositor e maestro da cidade de Petrópolis, RJ. Criador da Escola Brasileira de Música Popular. É autor de vasta obra. “Sinfonia no. 1” e “Maracatus do Recife”, são destaques;
  • Cesário Motta Júnior – médico higienista e político da cidade de Porto Feliz, SP. Fundador da Escola Politécnica e da Escola de Farmácia de São Paulo. Lançou as bases da Escola Agrícola de Piracicaba. Executou o saneamento do Porto de Santos. Combateu a cólera, varíola e extinguiu a febre amarela;
  • Cônego Januário da Cunha Barbosa – jornalista, orador sacro, poeta, biógrafo e político da cidade do Rio de Janeiro. Prócer da Independência do Brasil, lutou muito para sua emancipação;
  • Cornélio Pires – escritor, jornalista e folclorista, da cidade de Tietê, SP. Um dos maiores divulgadores do folclore brasileiro. “Enciclopédia de Anedotas e Curiosidades”, “Almanaque do Saci”, “Quem conta um conto…”, são algumas de suas obras;
  • David Canabarro – militar da cidade de Taquari, RS. Participou da proclamação da república Catarinense, das Guerras da Cisplatina e Farrapos. Foi um dos líderes da Revolução Farroupilha. Comandou a esquadra de Caxias;
  • Deodoro da Fonseca – militar e político da cidade de Alagoas (hoje Deodoro), AL. Proclamou a República do Brasil, sendo seu primeiro presidente;
  • Dom Pedro I – Príncipe Regente, nascido no Palácio de Queluz, nos arredores da cidade de Lisboa. Foi o primeiro imperador do país. Proclamou a Independência do Brasil, no dia 7 de setembro de 1822. Em 1824, outorga a primeira Constituição brasileira;
  • Duque de Caxias – militar e estadista, nasceu na Fazenda de São Paulo, no Taquaruçú, na Vila de Estrela da Província do Rio de Janeiro (RJ). Foi Ministro da Guerra, criador do Supremo Conselho Militar. Lutou em várias frentes de batalha, em todo continente. Caxias é o Patrono do Exército Brasileiro;
  • Eduardo Vandenkolk – militar da cidade do Rio de Janeiro. Foi o 1o. Ministro da Marinha, no governo de Deodoro da Fonseca. Participou nas guerras do Uruguai e Paraguai. Foi senador e vice-almirante da marinha brasileira;
  • Eleazar Segundo Afonso de Carvalho – regente, compositor e instrumentista da cidade de Iguatu, CE. Autor da ópera “Descobrimento do Brasil”. Primeiro brasileiro a reger a Sinfônica de Boston. Regeu as Filarmônicas de Berlim e Viena. Primeiro regente da Sinfônica do Estado e criador do Festival de Inverno de Campos do Jordão;
  • Elmano Gomes Cardim – jornalista e político da cidade de Valença, RJ. Trabalhou no Jornal do Comércio, foi diretor da Associação Comercial do Rio, presidente da Sociedade Brasileira da Cultura Inglesa, oficial de gabinete do Ministério da Justiça e funcionário do Arquivo Nacional;
  • Epitácio Pessoa – advogado e político da cidade de Umbuzeiro, PB. Foi deputado, ministro da justiça, ministro do Supremo Tribunal Federal e presidente da república entre 1919 e 1922.
  • Erwin Seignemartin – contabilista e administrador financeiro da cidade de Ribeirão Preto, SP. Foi um dos mais ativos conferencistas de temas maçônicos. Membro da Academia Maçônica Paulista de Letras. Foi Secretário de Relações Exteriores e Grão-Mestre da GLESP;
  • Esmeraldo Tarquínio de Campos Filho – advogado e político da cidade de Santos, SP. Foi deputado e prefeito de Santos (1968-1969);
  • Evaristo da Veiga – jornalista e político da cidade do Rio de Janeiro. Foi deputado, trabalhando incansavelmente pela defesa das instituições públicas. É autor da letra do Hino da Independência;
  • Fernando Prestes de Albuquerque – militar e político da cidade de Itapetininga, SP. Foi deputado estadual e federal. Foi governador do Estado de São Paulo, no período de 1898 a 1900. Fundador do Instituto Butantã, nomeando para seu diretor o Dr. Vital Brasil;
  • Floriano Peixoto – militar e político da cidade de Ipióca, AL. Consolidou a República Brasileira. Foi presidente em substituição a Deodoro da Fonseca. Em seu governo, enfrentou muitas revoltas com firmeza e energia, recebendo por isso, o apelido de “Marechal de Ferro”;
  • Francisco Antonio de Almeida Morato – advogado, professor e político da cidade de Piracicaba, SP. Foi diretor da Faculdade de Direito da USP, um dos fundadores do Instituto da OAB e o 1° presidente da Ordem dos Advogados do Brasil;
  • Francisco Glicério de Cerqueira Leite – Jornalista e político da cidade de Campinas, SP. Um dos artífices da Campanha Republicana. Foi vereador, deputado e senador. Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil;
  • Francisco Rangel Pestana – jornalista, advogado e político da cidade de Iguaçú. Fundador de vários jornais, entre eles, “A Província de São Paulo” que se tornaria “O Estado de São Paulo”. Foi deputado provincial, senador, vice-presidente do Estado do Rio de Janeiro e governador do Estado de São Paulo, no triunvirato após a Proclamação da República;
  • Francisco Rorato – contabilista, nasceu na cidade de Guaxima, município de Conquista, MG. Apaixonado pelo jornalismo, fundou vários jornais e a Editora Jornalística A Verdade. Idealizador e construtor do Templo Maçônico da Grande Loja. Foi Grão-Mestre da GLESP. É considerado um dos maiores vultos da história da maçonaria;
  • Frei Caneca – frade carmelita e político de Recife. Um dos líderes da Confederação do Equador;
  • Frei Francisco de Santa Tereza de Jesus Sampaio – religioso e patriota da cidade do Rio de Janeiro. Frade ativista, Francisco José de Sampaio foi um dos maiores colaboradores da nossa independência;
  • Gaspar Silveira Martins – advogado e político da cidade de Cerro Largo, Uruguai, divisa com o Rio Grande do Sul. Foi deputado, conselheiro do Império, senador, ministro da Fazenda, governador do Rio Grande do Sul e um dos grandes oradores de nossa história;
  • Hermes da Fonseca – militar da cidade de São Gabriel, RS. Na carreira militar atingiu o posto máximo: marechal. Foi eleito presidente da república (1910-1914);
  • Hervê Cordovil – músico, compositor e maestro da cidade de Viçosa, MG. No Rio de Janeiro estudou piano e fez músicas com grandes compositores, como Noel Rosa, Lamartine Babo, Adoniram Barbosa e Luiz Gonzaga. É considerado um gênio da música popular brasileira;
  • Hypólito José da Costa Pereira Furtado de Mendonça – Jornalista e advogado da cidade de Colônia do Sacramento (República Oriental do Uruguai). Fundador do 1o. órgão da imprensa brasileira, “Correio Brasiliense”. Prócer da Independência do Brasil, é considerado o Pai da Imprensa Brasileira;
  • Ibrahim de Almeida Nobre – advogado, jornalista e escritor paulistano. Foi delegado de polícia e promotor público. Lutou pela legalidade, auxiliou a população dizimada pela varíola e encarnou a angústia do povo. Foi membro da Academia Paulista de Letras;
  • Inocêncio Serzedelo Correia – militar e político da cidade de Belém, PA. Com Benjamim Constant, fundou o Clube Militar. Foi ministro da Indústria, Viação e Obras Públicas e um dos próceres da República;
  • Jânio Quadros – professor, advogado e político da cidade de Campo Grande, MS. Foi vereador, deputado, prefeito, governador e presidente da República. Orador carismático e político de profunda erudição;
  • Jayr Celso Fortunato de Almeida – advogado da cidade de Varginha, MG. Ocupou importantes cargos nas administrações da Grande Loja, inclusive como Membro do Conselho do Grão-Mestrado. Foi Grão-Mestre da GLESP para a gestão 1968/1971;
  • João Batista Mascarenhas de Moraes – engenheiro e militar da cidade de São Gabriel, RS. Foi comandante da Força Expedicionária Brasileira. Comandou o 1° Escalão em Nápoles, na 2ª Guerra Mundial;
  • João Caetano dos Santos – ator e empresário da cidade do Rio de Janeiro. Especialista em papéis dramáticos. Introduziu temas brasileiros no teatro do país. Foi defensor do estilo simples e verdadeiro de representar. O Teatro João Caetano é em sua homenagem;
  • João Mendes de Almeida Júnior – advogado e professor da cidade de São Paulo. Foi membro do Supremo Tribunal Federal. Autor de “Direito Judiciário Brasileiro”. O Fórum e a Praça João Mendes são em sua homenagem;
  • João Tibiriçá Piratininga – agricultor e político da cidade de Itú, SP. Foi um dos maiores líderes republicanos da Província de São Paulo;
  • Joaquim Gonçalves Lêdo – jornalista carioca. Prócer da República e redator do manifesto de fevereiro de 1832. Vetor da fundação do Grande Oriente do Brasil;
  • Joaquim Marcelino de Brito – magistrado e político da cidade de Salvador. Foi deputado, ministro e governador de Sergipe e Pernambuco. Ministro do Supremo Tribunal de Justiça. Foi Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil, no período de 1864 a 1871;
  • Joaquim Nabuco – diplomata e escritor da cidade de Recife. Foi membro da Academia Brasileira de Letras. Destaques para “Camões e os Luzíadas” e “Abolicionismo”;
  • Joaquim Rodrigues Neves – advogado da cidade do Rio de Janeiro. Foi presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, em 1941. Foi Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil, no período de 1940 a 1952;
  • José Bonifácio de Andrada e Silva – poeta, cientista e político santista. É o redentor dos escravos e patriarca da Independência;
  • José Carlos do Patrocínio – jornalista e escritor da cidade de Campos dos Goytacazes, RJ. Lutou no Movimento Republicano. Seus textos fortes o tornaram símbolo do Movimento Abolicionista no Brasil;
  • José Castellani – médico paulista de Araraquara. Pesquisador, historiador com mais de 60 obras escritas. O mais importante escritor maçônico brasileiro da atualidade;
  • José Francisco da Rocha Pombo – professor, historiador, escritor e jornalista da cidade de Morretes, PR. Um dos fundadores da UFPR. Pertenceu à academia de letras do estado. Autor de diversas obras, entre elas, “História do Brasil”, “Nossa Pátria”, “No Hospício”;
  • José Lopes da Silva Trovão – patriota da Ilha de Gipóia (Angra dos Reis, RJ]]. Um dos maiores propagandistas do Movimento Republicano. Um verdadeiro paladino da liberdade;
  • José Maria Lisboa – jornalista brasileiro de origem portuguesa, de Lisboa. Defendeu os ideais republicanos e lutou em favor da Abolição. É o fundador do jornal “Diário Popular”;
  • Julio Cesar Ribeiro – romancista, filólogo e jornalista da cidade de Sabará, MG. Foi um combativo defensor da abolição e do movimento republicano. Escreveu: “Estudos Gerais de Linguística”, “Padre Belchior de Pontes”, “A Carne”, entre outros;
  • Júlio de Mesquita Filho – jornalista e advogado da cidade de São Paulo. Foi diretor do jornal O Estado de S. Paulo. Fundador do Jornal da Tarde e Rádio Eldorado. Coordenador e maior líder civil do Movimento Constitucionalista de 1932;
  • Júlio Mesquita – jornalista, advogado, escritor e político da cidade de Campinas, SP. Foi diretor e proprietário do jornal O Estado de São Paulo. Deputado e senador, Júlio de Mesquita foi um dos mais brilhantes jornalistas do Brasil;
  • Júlio Prestes de Albuquerque – advogado e político paulista de Itapetininga. Foi deputado estadual e federal. Governador de S. Paulo e Presidente da República;
  • Kurt Prober – historiador e numismata brasileiro, de origem alemã, da cidade de Berlim. Possuidor do maior arquivo de documentos maçônicos que se conhece. Fundador da revista “A Bigorna”;
  • Lamartine Babo – músico carioca. Um dos mais completos compositores brasileiros;
  • Lauro Müller – militar e estadista catarinense de Itajaí. Elaborou as leis de construção e funcionamento dos portos. Ajudou muito na ampliação das estradas de ferro;
  • Luiz Gonzaga Pinto da Gama – escritor e advogado da cidade de Salvador. Contribuiu diretamente para a libertação de mais de 500 escravos, em 1830. É o fundador da Imprensa Humorística e do Centro Abolicionista de São Paulo;
  • Luiz Gonzaga – músico, compositor e cantor pernambucano. Um dos grandes nomes da música popular brasileira, é considerado o “Rei do Baião”;
  • Manoel Joaquim de Albuquerque Lins – político da cidade de São Miguel dos Campos, AL. Foi senador, secretário da fazenda no governo de Jorge Tibiriçá. Revitalizou a cultura do café. Foi governador do estado, de 1908 a 1912 e vice na chapa de Rui Barbosa, à presidência; e
  • Mariano Procópio Ferreira Lage – empresário e político da cidade de Barbacena, MG. Ajudou a construir a 1ª Estrada de Rodagem do Império. Foi diretor da Estrada de Ferro D. Pedro II, hoje, Central do Brasil. Foi deputado provincial e geral;
  • Mario Behring – engenheiro e jornalista da cidade de Ponte Nova, MG. É o fundador das Grandes Lojas Brasileiras;
  • Marquês de Herval – militar da cidade de Osório, RS. Combateu na Guerra dos Farrapos e na Invasão do Uruguai e Argentina. Participou da Guerra do Paraguai. Foi eleito deputado e senador;
  • Marquês de Sapucaí – advogado e desembargador da cidade de Congonhas do Sabará, MG. Foi presidente das Províncias de Alagoas e Maranhão e ministro da Suprema Côrte de Justiça;
  • Martim Francisco Ribeiro de Andrada III – estadista, matemático e cientista da cidade de Santos, SP. Foi ministro da fazenda em 1820 e 1840, presidente da Assembleia Constituinte e da Câmara dos deputados;
  • Maurício Paiva de Lacerda – advogado e político da cidade de Vassouras, RJ. Foi oficial do gabinete de Hermes da Fonseca. Deputado à Assembleia Constituinte e deputado federal;
  • Menotti Del Picchia – poeta, jornalista, romancista, contista, cronista e ensaísta paulistano. Um dos arautos do Movimento da Semana de Arte Moderna, em 1922;
  • Nelson de Sousa Carneiro – advogado e político da cidade de Salvador, BA. Foi deputado e senador. Lutou pela aprovação da Lei do Divórcio, promulgada em 1977;
  • Nereu Ramos – advogado e político da cidade de Lajes, SC. Foi deputado federal, senador, governador do estado, vice-presidente e presidente da república. Foi Ministro da Justiça no governo de Juscelino Kubitschek;
  • Nicola Aslan – historiador nascido na Ilha de Chio, Grécia. Fez do Brasil o país do seu coração. Autor de grandes obras maçônicas, é membro fundador da Academia Maçônica de Letras;
  • Nilo Peçanha – advogado e político da cidade de Campos, RJ. Um dos mais ardorosos defensores da Campanha Republicana e da Abolição da Escravatura. Foi deputado, ministro de Estado, vice-presidente e presidente da República. Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil;
  • Octávio Kelly – advogado, jornalista, político e professor da cidade de Niterói, RJ. Foi deputado estadual, juiz federal, membro do T.R.E. do Rio e membro do Supremo Tribunal Federal. Grande inteligência e cultura. Foi Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil;
  • Oscarito – considerado um dos maiores comediantes do cinema brasileiro;
  • Osvaldo Aranha – militar, advogado e político da cidade de Alegrete, RS. Foi deputado, secretário do Interior e Justiça, secretário da Fazenda, presidente do Rio Grande do Sul e Embaixador nos Estados Unidos. É considerado um dos arquitetos da Revolução de 1930;
  • Padre Feijó – sacerdote paulistano. Lutou pela Independência. Foi deputado e ministro da Justiça;
  • Padre Miguelinho – sacerdote e idealista da cidade de Natal, RN. Um dos mais dinâmicos ativistas da Revolução Pernambucana de 1817;
  • Padre Roma – padre e patriota da cidade de Recife. Um dos mártires da Revolução Pernambucana de 1817;
  • Paulo Duarte – advogado, jornalista e historiador da cidade de São Paulo. Espírito combativo e independente, participou das articulações da Revolução Constitucionalista de 1932. Trabalhou no jornal O Estado de S. Paulo. Escreveu “Sob as Arcadas” e “Agora”;
  • Pedro de Toledo – político, advogado e jornalista da cidade de São Paulo. Foi ministro da Agricultura, embaixador em Roma, Madri e Buenos Aires. Interventor de São Paulo e líder civil da Revolução Constitucionalista de 1932. Foi Grão-Mestre do Grande Oriente entre 1908 e 1913;
  • Pinheiro Machado – advogado e político da cidade de Cruz Alta, RS. Foi senador e deputado constituinte em 1890 e 1915;
  • Pixinguinha – compositor carioca. É considerado o Pai da Música Popular Brasileira. “Carinhoso” é o seu mais expressivo sucesso;
  • Prudente de Moraes – advogado, literato e político da cidade de Itu, SP. Foi deputado provincial, senador, governador do Estado e primeiro presidente civil do Brasil. É considerado um dos homens públicos mais honestos e patrióticos de nossa história;
  • Quintino Bocaiúva – político fluminense. Propagandista republicano, foi redator dos primeiros decretos da república;
  • Rafael Gióia Martins Júnior – professor, advogado, jornalista, publicitário, poeta e político da cidade de Campinas, SP. Foi vereador, deputado estadual e federal. Um dos grandes poetas cristãos do Brasil;
  • Ranchinho – artista, músico e cantor de Campos Gerais, MG. Formou com Alvarenga a dupla sertaneja satírica “Alvarenga e Ranchinho”;
  • Raphael Baptista Rabello – violonista, compositor e arranjador da cidade de Petrópolis, Rio de Janeiro. Reconhecido internacionalmente como um grande fenômeno. Músico de técnica e virtuosidade inacreditáveis. Foi parceiro de Radamés Gnatalli.
  • Rodolfo Mayer – ator de Teatro e TV paulistano. Pioneiro nas novelas do rádio, Rodolfo desempenhou papéis importantes também no Teatro e na TV;
  • Rui Barbosa – jurisconsulto baiano. Assombrou o mundo na Haia, Holanda, ganhando o apelido de “Águia da Haia”. É considerado o maior jurista do Brasil;
  • Saldanha Marinho – político pernambucano. Deputado, senador e governador de São Paulo e Minas Gerais;
  • Senador Vergueiro – advogado e político da cidade de Macedo de Cavaleiros, Portugal. Foi deputado, ministro e senador. Diretor da Faculdade de Direito de São Paulo. Um dos chefes do Movimento Liberal de S. Paulo, junto com Feijó e Rafael Tobias de Aguiar.
  • Theobaldo Varolli Filho – historiador da cidade de São Paulo. Importante autor maçônico. Foi membro da Academia Maçônica Paulista de Letras. Grão-Mestre Adjunto, no período de 1956 a 1962;
  • Tomás Antônio Gonzaga – poeta, advogado e desembargador brasileiro, de origem portuguesa, da cidade do Porto. Participou ativamente do movimento da Inconfidência Mineira. Autor de “Marília de Dirceu” e “Cartas Chilenas”, é considerado um dos grandes poetas do Arcadismo brasileiro;
  • Tonico – artista e compositor paulista de São Manuel. Com seu irmão Tinoco, formou a dupla sertaneja mais famosa de todos os tempos;
  • Ubaldino do Amaral Fontoura – advogado da cidade de Passo dos Marianos, [[Lapa], PR. Companheiro de escritório de Saldanha Marinho. Um dos publicistas da Abolição e da República. Foi senador e ministro do Supremo Tribunal Federal;
  • Venceslau Brás – advogado e político da cidade de Brasópolis, MG. Foi vereador, deputado, governador do Estado de Minas Gerais e presidente da república;
  • Victor Brecheret – escultor paulistano. Fundador da escola modernista e autor do Monumento às Bandeiras, localizado no Ibirapuera;
  • Visconde de Albuquerque – militar e político da cidade de Engenho Pantorra, Cabo, PE. Foi deputado, senador e ministro de estado. Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil de 1837 a 1850;
  • Visconde de Inhaúma – militar da marinha, de origem portuguesa, da cidade de Lisboa. No Brasil, participou da Campanha Cisplatina, Revolução Farroupilha, Guerra do Paraguai e Confederação do Equador. Foi ministro da marinha no gabinete de Caxias;
  • Visconde de Jary – jornalista e político da cidade de Acará, PA. Foi Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil de 1889 a 1890;
  • Visconde de Jequitinhonha – advogado e político da cidade de Salvador, BA. Um dos precursores do abolicionismo, foi deputado, conselheiro de estado e senador. Foi um dos fundadores do Instituto da Ordem dos Advogados Brasileiros. É fundador do Supremo Conselho do Grau 33º do Rito Escocês Antigo e Aceito;
  • Visconde de Taunay – militar, escritor e político da cidade do Rio de Janeiro. Foi governador dos estados de Santa Catarina e Paraná. Dedicou-se à crítica literária, música e pintura. “Retirada da Laguna” e “Inocência”, são suas principais obras. Foi membro fundador da Academia Brasileira de Letras;
  • Visconde do Rio Branco – professor, jornalista, estadista e político, da cidade de Salvador, BA. Graduado em Matemática, professor na Escola Militar, deputado provincial, senador, ministro da Marinha, Negócios Estrangeiros e da Fazenda. Promulgou a Lei do Ventre Livre. Por suas missões internacionais, é considerado símbolo da diplomacia brasileira. Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil;
  • Waldemar Seyssel – “O Arrelia” – Um dos maiores artistas circenses brasileiros;
  • Washington Luís – advogado e político da cidade de Macaé, RJ. Vereador e prefeito na cidade de Batatais, interior de São Paulo, deputado estadual, prefeito da capital e governador do Estado. Foi presidente do Brasil.